Arquivo mensal: fevereiro 2014

Cine Cultura estreia ‘Cidade Cinza’ e ‘São Silvestre’ na segunda-feira de carnaval

Nesta sexta-feira, 28 de fevereiro, o Cine Cultura fecha para dedetização da sala, e retorna com a programação na segunda-feira, 03 de março, com a estreia dos filmes ‘São Silvestre’, de Lina Chamie e ‘Cidade Cinza’, de Guilherme Valiengo e Marcelo Mesquita. O documentário ‘São Silvestre’ estreia com sessões às 19h (segunda, quarta e quinta) e na terça às 17h; ‘Cidade Cinza’ será exibido às 21h (segunda, quarta e quinta) e na terça às 19h. Ingressos custam R$ 8,00 inteira e R$ 4,00 meia.

São Silvestre

sao silvestre

O documentário pretende reproduzir a sensação de participar da maratona de São Silvestre, a maior corrida a céu aberto da América Latina, realizada anualmente em São Paulo, dia 31 de dezembro. Com uma câmera acoplada ao corpo do ator Fernando Alves Pinto, o filme busca captar o cansaço, a velocidade, o suor, a respiração e o movimento dos atletas.

Cidade Cinza

cidade cinza

Em 2008 a prefeitura de São Paulo resolveu iniciar uma política de limpeza urbana, na qual os muros da cidade seriam pintados com a cor cinza de forma a apagar as intervenções neles realizadas. O documentário de longa-metragem tem a participação dos artistas OsGêmeos, Nunca, Nina, Finok, Zefix e Ise, que tiveram importantes obras destruídas pela iniciativa, e se juntam para repintar um muro de 700 metros. A trilha sonora é composta por Criolo e Daniel Ganjaman.

 

Serviço:
Programação do Cine Cultura | 03 a 06 de março
Ingressos: R$ 8 Inteira / R$ 4 Meia.
Local: Cine Cultura – Centro Cultural Marieta Telles, Praça Cívica, nº 2.
Informações: 3201 – 4670

 …

São Silvestre

Sessões:  19h (segunda, quarta e quinta) / 17h (terça-feira)

Direção: Lina Chamie

Documentário | 80min | Brasil | Livre

Sinopse: O documentário pretende reproduzir a sensação de participar da maratona de São Silvestre, a maior corrida a céu aberto da América Latina, realizada anualmente em São Paulo, dia 31 de dezembro. Com uma câmera acoplada ao corpo do ator Fernando Alves Pinto, o filme busca captar o cansaço, a velocidade, o suor, a respiração e o movimento dos atletas.

 

Cidade Cinza

Sessões:  21h (seg, quarta e quinta) / 19h (terça-feira)

Direção: Guilherme Valiengo, Marcelo Mesquita

Documentário | 80 min | Brasil | Livre

Sinopse: Em 2008 a prefeitura de São Paulo resolveu iniciar uma política de limpeza urbana, na qual os muros da cidade seriam pintados com a cor cinza de forma a apagar as intervenções neles realizadas. Artistas como OsGemeos, Nunca e Nina, que tiveram importantes obras destruídas pela iniciativa, se juntam para repintar um muro de 700 metros.

Cine Cultura exibe Mostra dedicada a Paulo Leminski

O Cine Cultura exibe a partir desta sexta-feira, 21, a Mostra Leminski, com programação dedicada ao artista curitibano Paulo Leminski, um dos ícones da cultura brasileira. A mostra, composta por curtas e longas, pode ser conferida até dia 27 de fevereiro, com entrada franca.

Flyerweb Leminski

O documentário ‘A Imagem Que Falta’, de Rithy Panh, segue em cartaz com sessões às 19h (segunda a sexta, exceto quarta) e às 18h no sábado e no domingo, e o longa nacional Quando Eu Era Vivo, de Marco Dutra será exibido às 17h (segunda a sexta; exceto quarta), e sábado e domingo às 16h.

Quando Eu Era Vivo

Baseado no romance A Arte de Produzir Efeito sem Causa, de Lourenço Mutarelli, Quando Eu Era Vivo conta a história de Júnior (Marat Descartes), um homem que, após perder o emprego e se divorciar da mulher, volta a morar no apartamento em que foi criado, em São Paulo. Na casa, moram o pai, Sênior (Antônio Fagundes), e Bruna (Sandy Leah), uma estudante de música que aluga o quarto onde anos antes dormiam Júnior e seu irmão, Pedro (Kiko Bertholini). 

A Imagem Que Falta

Em “A Imagem que Falta”, o documentarista Rithy Panh busca recriar os anos de terror em que o Camboja foi governado pelo regime do Khmer Vermelho, responsável por um genocídio que vitimou cerca de dois milhões de pessoas entre 1975 e 1979. Desafiando as convenções do cinema documental o cineasta constrói sua narrativa recorrendo a uma inusitada mistura de imagens de arquivo, narrações em “off” e à encenação de episódios de sua juventude representados por bonecos de argila feitos à mão. Vencedor do prêmioUn Certain Regard do Festival de Cannes, “A Imagem que Falta” concorre ao Oscar de Melhor Filme Estrangeiro.

 

Programação – Mostra Leminski

21/02 – 21h – O Poeta + Belowars

22/02 – 20h – Polaco Loco Paca + Fazia Poesia – Poemas de Paulo Leminski

23/02 – 20h – Ex-Isto

24/02 – 21h – Making of – Múltiplo Leminski + Ervilha da Fantasia – Uma Ópera Paulo Leminskiana

25/02 – 21h – O Poeta + Belowars

26/02 – 19h – Polaco Loco Paca + Fazia Poesia – Poemas de Paulo Leminski

27/02 – 21h – Ex-Isto

 

Serviço:

Programação do Cine Cultura | 21 a 27 de fevereiro

Mostra Leminski (Entrada franca)

 

Filmes:

Quando Eu Era Vivo

Sessões:  17h (segunda a sexta; exceto quarta) / 16h (sábado e domingo)

Direção: Marco Dutra

Drama | 108min | Brasil | 12 anos

 

A Imagem Que Falta

Sessões:  19h (segunda a sexta; exceto quarta) / 18h (sábado e domingo)

Direção: Rithy Panh

Documentário | 16 anos | 92 min | Camboja, França

 

Ingressos: R$ 8 (Inteira) e  R$ 4 (Meia)

Informações: 3201 – 4670

Filme indicado ao Oscar estreia nesta sexta (14) no Cine Cultura

“Planeta Solitário” e “Quando eu Era Vivo” continuam em cartaz na sala

Nesta sexta-feira, 14 de fevereiro, o Cine Cultura estreia o documentário ‘A Imagem Que Falta’, de Rithy Panh, que concorre ao Oscar de Melhor Filme Estrangeiro. Os filmes Planeta Solitário, de Julia Loktev e o longa nacional Quando Eu Era Vivo, de Marco Dutra continuam em cartaz com novos horários de exibição. Para conferir a programação completa acesse: http://bit.ly/1cETbbD

A Imagem Que Falta

A Imagem que Falta_2

Em “A Imagem que Falta”, o documentarista Rithy Panh busca recriar os anos de terror em que o Camboja foi governado pelo regime do Khmer Vermelho, responsável por um genocídio que vitimou cerca de dois milhões de pessoas entre 1975 e 1979. Desafiando as convenções do cinema documental o cineasta constrói sua narrativa recorrendo a uma inusitada mistura de imagens de arquivo, narrações em “off” e à encenação de episódios de sua juventude representados por bonecos de argila feitos à mão. Vencedor do prêmio Un Certain Regard do Festival de Cannes, “A Imagem que Falta” concorre ao Oscar de Melhor Filme Estrangeiro. O filme estreia com sessões às 21h (sexta; segunda a quarta) e às 20h no sábado e no domingo.

Planeta Solitário

Planeta Solitario - Cartaz

Segundo longa-metragem dirigido pela russa Julia Loktev, Planeta Solitário conta com o astro Gael García Bernal e a atriz israelense Hani Furstenberg no elenco. O longa foi premiado no AFI Fest (Grande Prêmio do Júri) e marcou presença nos Festivais de Cinema de Locarno, Toronto e Nova YorkA trama conta a história de Alex e Nica, jovens apaixonados que estão nas montanhas do Cáucaso, na Geórgia, onde embarcam em uma viagem pré-matrimonial. Eles contratam um guia local, Dato (Bidzina Gujabidze), e caminham para o deserto. A vasta paisagem tem uma beleza agreste, bem como uma estranha sensação de mal pressentimento que, a princípio, não parece ser nada demais. Planeta Solitário segue em cartaz com exibições às 17h (sexta; segunda a quarta), e sábado e domingo às 16h.

Quando Eu Era Vivo

Quando-Eu-Era-Vivo-Poster-1Baseado no romance A Arte de Produzir Efeito sem Causa, de Lourenço Mutarelli, Quando Eu Era Vivo conta a história de Júnior (Marat Descartes), um homem que, após perder o emprego e se divorciar da mulher, volta a morar no apartamento em que foi criado, em São Paulo. Na casa, moram o pai, Sênior (Antônio Fagundes), e Bruna (Sandy Leah), uma estudante de música que aluga o quarto onde anos antes dormiam Júnior e seu irmão, Pedro (Kiko Bertholini).

Quando Eu Era Vivo segue em cartaz com sessões às 19h (sexta; segunda a quarta), e sábado e domingo às 18h. Os ingressos custam R$ 8,00 Inteira e R$ 4,00 Meia. Idosos não pagam.

Serviço:

Programação do Cine Cultura | 14 a 19 de fevereiro

Ingressos: R$ 8 Inteira / R$ 4 Meia.

Local: Cine Cultura – Centro Cultural Marieta Telles, Praça Cívica, nº 2.

Informações: 3201 – 4670

‘Planeta Solitário’ e ‘Quando Eu Era Vivo’ estreiam no Cine Cultura nesta sexta (07)

Nesta sexta-feira, 07 de fevereiro, o Cine Cultura coloca dois grandes lançamentos em cartaz, o suspense Planeta Solitário, dirigido por Julia Loktev e o longa nacional Quando Eu Era Vivo, de Marco Dutra. Uma ótima novidade para o público do Cine Cultura é que durante o mês de fevereiro a programação da sala contará com três sessões diárias. Para conferir a programação completa com os novos horários acesse: http://bit.ly/1cETbbD

Planeta Solitário

planeta solitario

Segundo longa-metragem dirigido pela russa Julia Loktev, Planeta Solitário conta com o astro Gael García Bernal e a atriz israelense Hani Furstenberg no elenco. O longa foi premiado no AFI Fest (Grande Prêmio do Júri) e marcou presença nos Festivais de Cinema de Locarno, Toronto e Nova York.

A trama conta a história de Alex e Nica, jovens apaixonados que estão nas montanhas do Cáucaso, na Geórgia, onde embarcam em uma viagem pré-matrimonial. Eles contratam um guia local, Dato (Bidzina Gujabidze), e caminham para o deserto. A vasta paisagem tem uma beleza agreste, bem como uma estranha sensação de mal pressentimento que, a princípio, não parece ser nada demais.

Planeta Solitário estreia no Cine Cultura com sessões às 19h nos dias de semana, e sábado e domingo às 18h. Ingressos custam R$ 8 (inteira) e R$ 4 (meia).

 

Quando Eu Era Vivo

quando eu era vivo

Considerado um dos principais lançamentos do cinema nacional para este ano Quando Eu Era Vivo – dirigido por Marco Dutra – chama a atenção por ser um raro longa de terror produzido no Brasil e, principalmente, por contar com a cantora Sandy no elenco.

Baseado no romance A Arte de Produzir Efeito sem Causa, de Lourenço Mutarelli, Quando Eu Era Vivo conta a história de Júnior (Marat Descartes), um homem que, após perder o emprego e se divorciar da mulher, volta a morar no apartamento em que foi criado, em São Paulo. Na casa, moram o pai, Sênior (Antônio Fagundes), e Bruna (Sandy Leah), uma estudante de música que aluga o quarto onde anos antes dormiam Júnior e seu irmão, Pedro (Kiko Bertholini).

Quando Eu Era Vivo entra em cartaz com sessões às 17h e 21h nos dias de semana, e sábado e domingo às 16h e 20h. Ingressos custam R$ 8 (inteira) e R$ 4 (meia).

 

Serviço:

Programação do Cine Cultura | 07 a 13 de fevereiro

Ingressos: R$ 8 Inteira / R$ 4 Meia.

Local: Cine Cultura – Centro Cultural Marieta Telles, Praça Cívica, nº 2.

Informações: 3201 – 4670

 

Planeta Solitário (The Loneliest Planet)

Sessões:  19h (segunda a sexta) / 18h (sábado e domingo)

Planeta Solitario - Cartaz

Direção: Julia Loktev

Suspense | 113min | EUA/Alemanha | 14 anos

Sinopse: Alex e Nica são jovens, apaixonados e estão prontos para se casar. Eles estão nas montanhas do Cáucaso, na Geórgia, onde embarcam em uma viagem pré-matrimonial. Eles contratam um guia local, Dato, e caminham para o deserto. A vasta paisagem tem uma beleza agreste, bem como uma estranha sensação de mau pressentimento, que a princípio, não parece nada de mais.

 

Quando Eu Era Vivo

Sessões:  17h e 21h (segunda a sexta) / 16h e 20h (sábado e domingo)

Quando-Eu-Era-Vivo - PosterDireção: Marco Dutra

Drama | 108min | Brasil | 12 anos

Sinopse: Júnior volta a morar com a família depois que perdeu o emprego e se separou da esposa. Ao chegar na casa que um dia já fora seu lar, ele se sente um estranho e passa seus dias no sofá do velho Sênior remoendo a separação, o desemprego e sonhando com a jovem inquilina Bruna. Após achar alguns objetos que pertenciam à sua mãe, Júnior passa a querer saber tudo sobre a história da família e desenvolve uma estranha obsessão pelo passado, passando a confundir delírio e realidade.