II Fronteira Festival Internacional do Filme Documentário e Experimental (inscrições abertas)

II Fronteira abre as inscrições para Mostras Competitivas Internacionais 

Segunda edição do Festival Internacional do Filme Documentário e Experimental acontece em Goiânia entre 20 e 29 de agosto e recebe inscrições até o dia 08 de abril

Ousar pensar, ver, discutir o real e a experiência no cinema de outras formas. Com outras linguagens e pontos de se observar a vida. Foi nessa fronteira que o festival nasceu e é nela que ele encontrou sua razão de ser. No ano passado, na primeira edição, foram exibidos 120 filmes em 11 mostras durante 9 dias de evento. O sucesso dessa experiência garantiu que o projeto continuasse caminhando 2015 adentro já preparando a segunda edição que será entre os dias 20 e 29 de agosto. O II Fronteira já começou e convida todos os realizadores e produtores que ousam se arriscar nas fronteiras da linguagem para inscrever seus filmes para suas Mostras Competitivas.

As inscrições para as Mostras Competitivas Internacionais de Curtas e Longas forma abertas no dia 25 de fevereiro. Seguem até dia 08 de abril e poderão ser realizadas exclusivamente pelo site www.fronteirafestival.com.

Os filmes podem ser de qualquer lugar do mundo e devem ter sido realizados a partir de janeiro de 2014. Também serão aceitos filmes versão work-in-progress (que ainda estejam sendo feitos). Os filmes podem ser documentários e experimentais, preferencialmente. Outros gêneros também podem ser inscritos.

Ao Festival interessa pouco a ideia fechada de gênero. “Elegemos o documentário e o experimental como lugares da invenção, tradições do desvio, mas consideramos todo aquele filme que desafia os limites do gênero, propondo novos modos de percepção, entendendo o cinema como prática política e artística”, explica Marcela Borela, uma das diretoras artísticas do festival, ao lado de Rafael Castanheira Parrode e Henrique Borela.

Serão aceitos filmes de todas as metragens. A curadoria está sob a responsabilidade de Rafael Parrode, que é crítico e programador, Ewerton Belico (BH), pesquisador e curador e Toni D’Angela (Itália), professor e editor da revista multilíngue La Furia Umana.

Filmes na fronteira

Para Marcela Borela, há duas perspectivas de fronteira em produções cinematográficas que o festival tem interesse em selecionar. A primeira é a da linguagem do cinema, que vai além do modelo tradicional da ficção e contação de estória.

“Nos interessa o que foge do modo de produção industrial que tem a visão do filme como produto. Aquele em que não pode ter erro, conta com amplo planejamento, controle, deve ser feito no menor tempo possível com a garantia de um roteiro previamente definido e que esteja ligado a diretrizes do fluxo de capital e não estético,” explica. São bem vindos projetos singulares que busquem novas invenções e relações com a imagem em movimento.

A outra perspectiva de fronteira que define a filosofia do festival é de ordem político-ideológica. “Estamos interessados em filmes que abordem enfrentamentos às formas dominantes do capitalismo. Todas as formas de lutas sociais e de resistência nos interessam”, pontua.

Premiação

Haverá seis premiações para as melhores produções: três para longa-metragens e três para curta-metragens. Recebem os troféus as seguintes categorias: o melhor longa-metragem, de acordo com júri popular, o melhor longa de acordo com o júri oficial, que também elege a melhor produção de longa para o prêmio especial.

Os curta-metragens são premiados de acordo com as mesmas categorias. Há o melhor curta de acordo com o júri popular, outro eleito pelo júri oficial que também julga o melhor curta para levar o troféu de prêmio especial.

A premiação acaba por conferir um peso especial para os realizadores brasileiros. Ao contrário da maioria dos festivais internacionais no Brasil, o Fronteira não distingue a premiação nacional da internacional. Desta forma, os filmes brasileiros acabam entrando na mesma disputa que os estrangeiros, conferindo uma chancela internacional aos possíveis vencedores.

Além dos filmes que serão selecionados para a Mostra Competitiva Internacional, o Festival ainda promete outras mostras especiais, oficinas e residência. O Fronteira é realizado pela Barroca Produções Artísticas e Cinematográficas e tem patrocínio da Lei Goyazes e Ministério da Educação.

 

Sobre Cine Cultura

O Cine Cultura é o espaço de referência em Goiânia quando o assunto é o CINEMA. Inaugurada no dia 15 de julho de 1989, a pequena sala batizada de Sala Eduardo Benfica, com 98 lugares, apesar de pequena, abriu as portas para uma história de cinema que tem sido escrita com grande força em seus anos de existência. Dirigido ao longo de grande parte de sua história por Antônio Segatti – importante diretor de fotografia de inúmeras produções cinematográficas em Goiás – o Cine Cultura se firmou como principal espaço de exibição de filmes não-comerciais, proporcionando ao público experiências que os cinemas ditos “comerciais” não se interessavam em promover. Hoje, com 89 lugares (sendo um espaço para cadeirante), o Cine Cultura acompanha um momento decisivo de transição pelo qual passa o cinema mundial no século XXI. A tradicional projeção em 35mm que acompanhou toda a história do nosso cinema vem agora aliada à tecnologia digital, proporcionando uma maior democratização de acesso a uma quantidade inimagináveis de filmes disponíveis no circuito exibidor brasileiro e mundial. Como cinema que privilegia o que de melhor se produz no cinema contemporâneo, o Cine Cultura se coloca como o principal espaço de difusão de filmes de Goiás, exibindo lançamentos importantes do circuito comercial, sem nunca deixar de promover festivais e mostras especiais, buscando oferecer para o público goianiense, uma programação ampla e democrática, transformando o nosso cinema num espaço de convivência, reflexão e debate aberto a toda a sociedade. Buscar uma relação mais próxima e afetiva com o público é o principal projeto do Cine Cultura. Estar em contato direto com as pessoas, ser um catalisador de experiências audiovisuais, de aproximação com a cultura e com a arte através do cinema, é o que motiva o Cine Cultura. A ideia é construir um intenso e fértil ambiente onde a paixão pelo cinema possa florescer, a partir do qual o cinema possa ser conhecido em sua totalidade, sem limitações. Assim o Cine Cultura pretende ser o lugar onde as pessoas, cada vez mais, possam enfim se render ao poder transformador da sétima arte.

Publicado em 23 de março de 2015, em Uncategorized. Adicione o link aos favoritos. Deixe um comentário.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: