“Ida” e “Nós Somos as Melhores” continuam em cartaz no Cine Cultura

O público poderá conferir por mais uma semana os filmes Ida, do diretor Pawel Pawlikowski, e Nós Somos as Melhores, de Lukas Moodysson, que permanecem em cartaz na programação do Cine Cultura, unidade da Secretaria de Educação, Cultura e Esporte (Seduce). O drama Ida será exibido na sessão das 19 horas (dias de semana) e 18h30 no sábado e domingo. Já a produção Nós Somos as Melhores terá sessões às 21 horas (dias de semana) e 20h30 no sábado e no domingo. O ingresso custa R$ 8 (inteira) e R$ 4 (meia). Pessoas acima de 60 anos têm acesso livre.

Ida

Vencedor do Oscar 2015 de melhor Filme Estrangeiro e também indicado na categoria melhor Direção de Fotografia, o filme Ida traz a história de uma noviça que, antes de prestar seus votos, sai do convento para descobrir o passado de sua família através de sua tia em uma fria Polônia comunista da década de 1960, onde ainda estão abertas as feridas causadas pela invasão nazista durante a Segunda Guerra Mundial. Após as revelações da tia, as duas resolvem partir em uma jornada de autoconhecimento, para descobrir o real desfecho da história da família e onde cada uma delas pertence na sociedade.

‘Ida’ continua em cartaz no Cine Cultura passando a ser exibido às 19h nos dias de semana, e às 18h30 no sábado e domingo. O filme não é recomendado para menores de 14 anos.

Nós Somos as Melhores

O longa Nós Somos as Melhores retrata garotas punks da Suécia dos anos 1980. Bobo (Mira Barkhammar) e Klara (Mira Grosin) têm 12 anos e são amigas inseparáveis. Elas são fãs de punk e sentem-se deslocadas na escola e em suas famílias, já que todos dizem que o punk morreu. Um dia, como provocação a um grupo de garotos, elas resolvem montar uma banda. Não demora muito para que convidem para o grupo Hedvig (Liv LeMoyne), devido ao seu talento no violão. Entretanto, Hedvig é cristã e nada tem a ver com o estilo punk de ser, tendo que ser iniciada no movimento por Bobo e Klara.

‘Nós Somos as Melhores’ continua em cartaz no Cine Cultura passando a ser exibido às 19h nos dias de semana, e às 18h30 no sábado e domingo. O filme não é recomendado para menores de 12 anos.

Serviço:

Programação do Cine Cultura | 16 a 22 de abril

Ingressos: R$ 8 Inteira / R$ 4 Meia / Acima de 60 anos não pagam

Local: Cine Cultura – Centro Cultural Marieta Telles, Praça Cívica, nº 2.

Informações: 3201 – 4670


Ida
Sessões:  19h (segunda a sexta); 18h30 (sábado e domingo)

Direção: Pawel Pawlikowski

Drama | 82 min | Polônia/Dinamarca | Não recomendado para menores de 14 anos

Sinopse:  A jovem noviça Anna (Agata Trzebuchowska) está pronta para prestar seus votos e se tornar freira, só que antes disso, por insistência da Madre Superiora (Halina  Skoczynska), vai visitar a única familiar restante: tia Wanda (Agata Kulesza), uma mulher cínica e mundana, defensora do Partido Comunista, que revela segredos sobre o seu passado. O nome real de Anna é Ida, e sua família era judia, capturada e morta pelos nazistas. Após essa revelação, as duas resolvem partir em uma jornada de autoconhecimento, para descobrir o real desfecho da história da família e onde cada uma delas pertence na sociedade. Ida venceu o Oscar 2015 de Melhor Filme Estrangeiro e também foi indicado na categoria Melhor Direção de Fotografia.

Nós Somos As Melhores

Sessões:  21h (segunda a sexta); 20h30 (sábado e domingo)

Direção: Lukas Moodysson

Drama | 102 min | Suécia| Não recomendado para menores de 12 anos

Sinopse:  Bobo (Mira Barkhammar) e Klara (Mira Grosin) têm 12 anos e são amigas inseparáveis. Elas são fãs de punk e sentem-se deslocadas na escola e em suas famílias, já que todos dizem que o punk morreu. Um dia, como provocação a um grupo de garotos, elas resolvem montar uma banda. Não demora muito para que convidem para o grupo Hedvig (Liv LeMoyne), devido ao seu talento no violão. Entretanto, Hedvig é cristã e nada tem a ver com o estilo punk de ser, tendo que ser iniciada no movimento por Bobo e Klara.

Cine Cultura – Sala Eduardo Benfica
Centro Cultural Marieta Telles Machado, Praça Cívica, nº 2, Goiânia – GO.Tel.: (62) 3201 – 4670

Cine Cultura estreia nesta quinta-feira os filmes “Ida” e “Nós Somos as Melhores”

O Cine Cultura, unidade da Secretaria de Estado de Educação, Cultura e Esporte (Seduce), estreia nesta quinta-feira, 9 de abril, os filmes Nós Somos as Melhores, do diretor Lukas Moodysson, com sessões às 19 horas (dias de semana) e 18h30 (sábado e domingo), e Ida, de Pawel Pawlikowski, que será exibido às 21 horas (dias de semana) e 20h30 (sábado e domingo). O ingresso custa R$ 8 (inteira) e R$ 4 (meia). Pessoas acima de 60 anos têm acesso livre.

Nós Somos as Melhores

O longa Nós Somos as Melhores retrata garotas punks da Suécia dos anos 1980. Bobo (Mira Barkhammar) e Klara (Mira Grosin) têm 12 anos e são amigas inseparáveis. Elas são fãs de punk e sentem-se deslocadas na escola e em suas famílias, já que todos dizem que o punk morreu. Um dia, como provocação a um grupo de garotos, elas resolvem montar uma banda. Não demora muito para que convidem para o grupo Hedvig (Liv LeMoyne), devido ao seu talento no violão. Entretanto, Hedvig é cristã e nada tem a ver com o estilo punk de ser, tendo que ser iniciada no movimento por Bobo e Klara.

‘Nós Somos as Melhores’ entra em cartaz no Cine Cultura com sessões às 19h nos dias de semana, e às 18h30 no sábado e domingo. O filme não é recomendado para menores de 12 anos.

Ida

Vencedor do Oscar 2015 de melhor Filme Estrangeiro e também indicado na categoria melhor Direção de Fotografia, o filme Ida traz a história de uma noviça que, antes de prestar seus votos, sai do convento para descobrir o passado de sua família através de sua tia em uma fria Polônia comunista da década de 1960, onde ainda estão abertas as feridas causadas pela invasão nazista durante a Segunda Guerra Mundial. Após as revelações da tia, as duas resolvem partir em uma jornada de autoconhecimento, para descobrir o real desfecho da história da família e onde cada uma delas pertence na sociedade.

‘Ida’ entra em cartaz no Cine Cultura com sessões às 21h nos dias de semana, e às 20h30 no sábado e domingo. O filme não é recomendado para menores de 14 anos.

Serviço:

Programação do Cine Cultura | 09 a 15 de abril

Ingressos: R$ 8 Inteira / R$ 4 Meia / Acima de 60 anos não pagam

Local: Cine Cultura – Centro Cultural Marieta Telles, Praça Cívica, nº 2.

Informações: 3201 – 4670


Nós Somos As Melhores [Estreia]

Sessões:  19h (segunda a sexta); 18h30 (sábado e domingo)

Direção: Lukas Moodysson

Drama | 102 min | Suécia| Não recomendado para menores de 12 anos

Sinopse:  Bobo (Mira Barkhammar) e Klara (Mira Grosin) têm 12 anos e são amigas inseparáveis. Elas são fãs de punk e sentem-se deslocadas na escola e em suas famílias, já que todos dizem que o punk morreu. Um dia, como provocação a um grupo de garotos, elas resolvem montar uma banda. Não demora muito para que convidem para o grupo Hedvig (Liv LeMoyne), devido ao seu talento no violão. Entretanto, Hedvig é cristã e nada tem a ver com o estilo punk de ser, tendo que ser iniciada no movimento por Bobo e Klara.

Ida [Estreia]

Sessões:  21h (segunda a sexta); 20h30 (sábado e domingo)

Direção: Pawel Pawlikowski

Drama | 82 min | Polônia/Dinamarca | Não recomendado para menores de 14 anos

Sinopse:  A jovem noviça Anna (Agata Trzebuchowska) está pronta para prestar seus votos e se tornar freira, só que antes disso, por insistência da Madre Superiora (Halina  Skoczynska), vai visitar a única familiar restante: tia Wanda (Agata Kulesza), uma mulher cínica e mundana, defensora do Partido Comunista, que revela segredos sobre o seu passado. O nome real de Anna é Ida, e sua família era judia, capturada e morta pelos nazistas. Após essa revelação, as duas resolvem partir em uma jornada de autoconhecimento, para descobrir o real desfecho da história da família e onde cada uma delas pertence na sociedade. Ida venceu o Oscar 2015 de Melhor Filme Estrangeiro e também foi indicado na categoria Melhor Direção de Fotografia.

Cine Cultura – Sala Eduardo Benfica
Centro Cultural Marieta Telles Machado, Praça Cívica, nº 2, Goiânia – GO.Tel.: (62) 3201 – 4670

Longa nacional “Castanha” entra em cartaz no Cine Cultura

O Cine Cultura, unidade da Secretaria de Estado de Educação, Cultura e Esporte (Seduce), estreia nesta quinta-feira, 02 de abril, o longa nacional Castanha, de Davi Pretto, com sessão às 21 horas (nos dias de semana; exceto sexta-feira feriado) e 20h30 (sexta, sábado e domingo).

Branco Sai, Preto Fica, do diretor Adirley Queirós, continua em cartaz por mais uma semana, com exibição às 19 horas (dias de semana; exceto feriado) e 18h30 (sexta, sábado e domingo).

Devido ao feriado na sexta-feira, as sessões Branco Sai, Preto Fica e Castanha acontecem mais cedo, com sessões às 18h30 e 20h30, respectivamente. O ingresso custa R$ 8 (inteira) e R$ 4 (meia). Pessoas acima de 60 anos têm acesso livre.

Branco Sai, Preto Fica

O longa-metragem Branco Sai, Preto Fica, com direção de Adirley Queirós, conta a história de vítimas do descaso social, tendo como pano de fundo um caso de agressão policial ocorrido na cidade de Ceilândia, no Distrito Federal. A história mistura documentário, ficção científica e vai além, expondo um futuro onde as desigualdades mostram-se cada vez mais cruéis. Branco Sai, Preto Fica foi vencedor de 11 prêmios no 47º Festival de Brasília do Cinema Brasileiro e teve forte participação em diversos festivais do país, incluindo o I Fronteira – Festival Internacional do Filme e Documentário Experimental, no qual teve sua exibição no Cine Cultura em 2014.

‘Branco Sai, Preto Fica’ continua em cartaz no Cine Cultura com sessões às 19h nos dias de semana, e às 18h30 no sábado e domingo e feriado (sexta-feira). O filme não é recomendado para menores de 12 anos.

 

Castanha

João é um ator de 52 anos que vive com sua mãe Celina. Ele divide-se trabalhando à noite como transformista em bares gays e atuando em peças de teatro e filmes. Dia após dia, João passa a confundir cada vez mais a realidade que vive com a ficção que interpreta. Castanha teve sua exibição no Festival de Berlim, no BAFICI,  Paulínia Film Festival e no Festival do Rio em 2014.

‘Castanha’ entra em cartaz no Cine Cultura com sessões às 21h nos dias de semana, e às 18h30 no sábado e domingo e feriado (sexta). O filme não é recomendado para menores de 14 anos.

 

Serviço:

Programação do Cine Cultura | 02 a 08 de abril

Ingressos: R$ 8 Inteira / R$ 4 Meia / Acima de 60 anos têm acesso livre

Local: Cine Cultura – Centro Cultural Marieta Telles, Praça Cívica, nº 2.

Informações: 3201 – 4670


Branco Sai, Preto Fica

Sessões:  19h (dias de semana; exceto feriado); 18h30 (sexta, sábado e domingo)

Direção: Adirley Queirós

Ficção | 93 min | Brasil | Não recomendado para menores de 12 anos

Sinopse:  Tiros em um baile de black music na periferia de Brasília ferem dois homens, que ficam marcados para sempre. Um terceiro vem do futuro para investigar o acontecido e provar que a culpa é da sociedade repressiva.

 

Castanha [Estreia]

Sessões:  21h (dias de semana; exceto feriado); 20h30 (sexta, sábado e domingo)

Direção: Davi Pretto

Ficção | 95 min | Brasil | Não recomendado para menores de 14 anos

Sinopse:  João é um ator de 52 anos que vive com sua mãe Celina. Ele divide-se trabalhando à noite como transformista em bares gays e atuando em peças de teatro e filmes. Dia após dia, João passa a confundir cada vez mais a realidade que vive com a ficção que interpreta.

 

Cine Cultura – Sala Eduardo Benfica
Centro Cultural Marieta Telles Machado, Praça Cívica, nº 2, Goiânia – GO.Tel.: (62) 3201 – 4670

“Branco Sai, Preto Fica” e “Insubordinados” continuam em cartaz no Cine Cultura

Para quem ainda não viu, ainda dá tempo de assistir os filmes Insubordinados e Branco Sai, Preto Fica, que permanecem em cartaz por mais uma semana na programação do Cine Cultura, unidade da Secretaria de Estado de Educação, Cultura e Esporte (Seduce). O longa Insubordinados será exibido na sessão das 21 horas (dias de semana) e 20h30 no sábado e domingo. Já a produção Branco Sai, Preto Fica pode ser conferida nos horários das 19 horas (dias de semana) e 18h30 no sábado e no domingo. O ingresso custa R$ 8 (inteira) e R$ 4 (meia). Pessoas acima de 60 anos têm acesso livre.

Branco Sai, Preto Fica

O longa de ficção Branco Sai, Preto Fica conta a história de vítimas do descaso social, tendo como pano de fundo um caso de agressão policial ocorrido na cidade de Ceilândia, no Distrito Federal. A história mistura documentário, ficção científica e vai além, expondo um futuro onde as desigualdades mostram-se cada vez mais cruéis. Branco Sai, Preto Fica foi vencedor de 11 prêmios no 47º Festival de Brasília do Cinema Brasileiro e teve forte participação em diversos festivais do país, incluindo o I Fronteira – Festival Internacional do Filme e Documentário Experimental, no qual teve sua exibição no Cine Cultura em 2014 e levou o Prêmio Especial do Júri.

‘Branco Sai, Preto Fica’ continua em cartaz no Cine Cultura com sessões às 19h nos dias de semana, e às 18h30 no sábado e domingo. O filme não é recomendado para menores de 12 anos.

 

Insubordinados

Insubordinados, ficção de Edu Felistoque, com atuação e roteiro de Sílvia Lourenço, acompanha a vida de Janete, uma jovem que tem a escrita como paixão. Janete decide escrever para passar o tempo, já que seus dias estão monótonos, pois ela acompanha o pai que está internado na UTI. Janete cria a personagem delegada Diana, que junto de seus colegas policiais vivenciam casos complexos e investigações do dia-a-dia em momentos cheios de adrenalina e perigos da profissão.

‘Insubordinados’ continua em cartaz no Cine Cultura com sessões às 19h nos dias de semana, e às 18h30 no sábado e domingo. O filme não é recomendado para menores de 16 anos.

 

Serviço:

Programação do Cine Cultura | 26 de março a 01 de abril

Ingressos: R$ 8 Inteira / R$ 4 Meia / Acima de 60 anos não pagam

Local: Cine Cultura – Centro Cultural Marieta Telles, Praça Cívica, nº 2.

Informações: 3201 – 4670


Branco Sai, Preto Fica

Sessões:  19h (segunda a sexta); 18h30 (sábado e domingo)

Direção: Adirley Queirós

Ficção | 93 min | Brasil | Não recomendado para menores de 12 anos

Sinopse:  Tiros em um baile de black music na periferia de Brasília ferem dois homens, que ficam marcados para sempre. Um terceiro vem do futuro para investigar o acontecido e provar que a culpa é da sociedade repressiva.

 

Insubordinados

Sessões:  21h (segunda a sexta); 20h30 (sábado e domingo)

Direção: Edu Felistoque

Drama | 82 min | Brasil | Não recomendado para menores de 16 anos

Sinopse:  Janete (Sílvia Lourenço), aos 32 anos está presa por ter que cuidar de seu pai, um coronel da Polícia Militar aposentado, que está internado em estado terminal. Enquanto espera pela morte do pai, Janete só consegue escrever. Ela cria uma trama policial, transferindo todas as suas aflições para a ficção.

Cine Cultura – Sala Eduardo Benfica
Centro Cultural Marieta Telles Machado, Praça Cívica, nº 2, Goiânia – GO.Tel.: (62) 3201 – 4670

II Fronteira Festival Internacional do Filme Documentário e Experimental (inscrições abertas)

II Fronteira abre as inscrições para Mostras Competitivas Internacionais 

Segunda edição do Festival Internacional do Filme Documentário e Experimental acontece em Goiânia entre 20 e 29 de agosto e recebe inscrições até o dia 08 de abril

Ousar pensar, ver, discutir o real e a experiência no cinema de outras formas. Com outras linguagens e pontos de se observar a vida. Foi nessa fronteira que o festival nasceu e é nela que ele encontrou sua razão de ser. No ano passado, na primeira edição, foram exibidos 120 filmes em 11 mostras durante 9 dias de evento. O sucesso dessa experiência garantiu que o projeto continuasse caminhando 2015 adentro já preparando a segunda edição que será entre os dias 20 e 29 de agosto. O II Fronteira já começou e convida todos os realizadores e produtores que ousam se arriscar nas fronteiras da linguagem para inscrever seus filmes para suas Mostras Competitivas.

As inscrições para as Mostras Competitivas Internacionais de Curtas e Longas forma abertas no dia 25 de fevereiro. Seguem até dia 08 de abril e poderão ser realizadas exclusivamente pelo site www.fronteirafestival.com.

Os filmes podem ser de qualquer lugar do mundo e devem ter sido realizados a partir de janeiro de 2014. Também serão aceitos filmes versão work-in-progress (que ainda estejam sendo feitos). Os filmes podem ser documentários e experimentais, preferencialmente. Outros gêneros também podem ser inscritos.

Ao Festival interessa pouco a ideia fechada de gênero. “Elegemos o documentário e o experimental como lugares da invenção, tradições do desvio, mas consideramos todo aquele filme que desafia os limites do gênero, propondo novos modos de percepção, entendendo o cinema como prática política e artística”, explica Marcela Borela, uma das diretoras artísticas do festival, ao lado de Rafael Castanheira Parrode e Henrique Borela.

Serão aceitos filmes de todas as metragens. A curadoria está sob a responsabilidade de Rafael Parrode, que é crítico e programador, Ewerton Belico (BH), pesquisador e curador e Toni D’Angela (Itália), professor e editor da revista multilíngue La Furia Umana.

Filmes na fronteira

Para Marcela Borela, há duas perspectivas de fronteira em produções cinematográficas que o festival tem interesse em selecionar. A primeira é a da linguagem do cinema, que vai além do modelo tradicional da ficção e contação de estória.

“Nos interessa o que foge do modo de produção industrial que tem a visão do filme como produto. Aquele em que não pode ter erro, conta com amplo planejamento, controle, deve ser feito no menor tempo possível com a garantia de um roteiro previamente definido e que esteja ligado a diretrizes do fluxo de capital e não estético,” explica. São bem vindos projetos singulares que busquem novas invenções e relações com a imagem em movimento.

A outra perspectiva de fronteira que define a filosofia do festival é de ordem político-ideológica. “Estamos interessados em filmes que abordem enfrentamentos às formas dominantes do capitalismo. Todas as formas de lutas sociais e de resistência nos interessam”, pontua.

Premiação

Haverá seis premiações para as melhores produções: três para longa-metragens e três para curta-metragens. Recebem os troféus as seguintes categorias: o melhor longa-metragem, de acordo com júri popular, o melhor longa de acordo com o júri oficial, que também elege a melhor produção de longa para o prêmio especial.

Os curta-metragens são premiados de acordo com as mesmas categorias. Há o melhor curta de acordo com o júri popular, outro eleito pelo júri oficial que também julga o melhor curta para levar o troféu de prêmio especial.

A premiação acaba por conferir um peso especial para os realizadores brasileiros. Ao contrário da maioria dos festivais internacionais no Brasil, o Fronteira não distingue a premiação nacional da internacional. Desta forma, os filmes brasileiros acabam entrando na mesma disputa que os estrangeiros, conferindo uma chancela internacional aos possíveis vencedores.

Além dos filmes que serão selecionados para a Mostra Competitiva Internacional, o Festival ainda promete outras mostras especiais, oficinas e residência. O Fronteira é realizado pela Barroca Produções Artísticas e Cinematográficas e tem patrocínio da Lei Goyazes e Ministério da Educação.

 

“Insubordinados” e “Branco Sai, Preto Fica” entram em cartaz no Cine Cultura

O Cine Cultura, unidade da Secretaria de Estado de Educação, Cultura e Esporte (Seduce), estreia nesta quinta-feira, 19, as produções nacionais Insubordinados, com direção de Edu Felistoque, com sessão às 19horas (nos dias de semana) e 18h30 (sábado e domingo), e Branco Sai, Preto Fica, do diretor Adirley Queirós, com exibição 21 horas (nos dias de semana) e 20h30 (sábado e domingo). O ingresso custa R$ 8 (inteira) e R$ 4 (meia). Pessoas acima de 60 anos têm acesso livre.

Insubordinados

Após a pré-estreia no Cine Cultura com debate e presença da atriz e roteirista do filme, Sílvia Lourenço, ocorrida na última segunda-feira, o longa Insubordinados entra em cartaz na programação do cinema. A obra é a primeira da trilogia da vida real, um formato pouco visto em filmes de arte, composto por os outros dois títulos que serão lançados em breve. Mesmo fazendo parte de uma trilogia, os filmes têm histórias independentes entre si.

Ao longo da narrativa, o espectador acompanha a vida de Janete (Silvia Lourenço), uma jovem que tem a escrita como paixão. Janete decide escrever como uma maneira de passar o tempo, já que seus dias estão monótonos, pois ela acompanha o pai que está internado na UTI. Janete cria a personagem delegada Diana, que junto de seus colegas policiais vivenciam casos complexos e investigações do dia-a-dia em momentos cheios de adrenalina e perigos da profissão.

‘Insubordinados’ entra em cartaz no Cine Cultura com sessões às 19h nos dias de semana, e às 18h30 no sábado e domingo. O filme não é recomendado para menores de 16 anos.

Branco Sai, Preto Fica

O longa-metragem Branco Sai, Preto Fica, com direção de Adirley Queirós, conta a história de vítimas do descaso social, tendo como pano de fundo um caso de agressão policial ocorrido na cidade de Ceilândia, no Distrito Federal. A história mistura documentário, ficção científica e vai além, expondo um futuro onde as desigualdades mostram-se cada vez mais cruéis. Branco Sai, Preto Fica foi vencedor de 11 prêmios no 47º Festival de Brasília do Cinema Brasileiro e teve forte participação em diversos festivais do país, incluindo o I Fronteira – Festival Internacional do Filme e Documentário Experimental, no qual teve sua exibição no Cine Cultura em 2014.

‘Branco Sai, Preto Fica’ entra em cartaz no Cine Cultura com sessões às 21h nos dias de semana, e às 20h30 no sábado e domingo. O filme não é recomendado para menores de 12 anos.

 

Serviço:

Programação do Cine Cultura | 19 a 25 de março

Ingressos: R$ 8 Inteira / R$ 4 Meia / Acima de 60 anos não pagam

Local: Cine Cultura – Centro Cultural Marieta Telles, Praça Cívica, nº 2.

Informações: 3201 – 4670


Insubordinados [Estreia]

Sessões:  19h (segunda a sexta); 18h30 (sábado e domingo)

Direção: Edu Felistoque

Drama | 82 min | Brasil | Não recomendado para menores de 16 anos

Sinopse:  Janete (Sílvia Lourenço), aos 32 anos está presa por ter que cuidar de seu pai, um coronel da Polícia Militar aposentado, que está internado em estado terminal. Enquanto espera pela morte do pai, Janete só consegue escrever. Ela cria uma trama policial, transferindo todas as suas aflições para a ficção.

 

Branco Sai, Preto Fica [Estreia]

Sessões:  21h (segunda a sexta); 20h30 (sábado e domingo)

Direção: Adirley Queirós

Ficção | 93 min | Brasil | Não recomendado para menores de 12 anos

Sinopse:  Tiros em um baile de black music na periferia de Brasília ferem dois homens, que ficam marcados para sempre. Um terceiro vem do futuro para investigar o acontecido e provar que a culpa é da sociedade repressiva.

 

Cine Cultura – Sala Eduardo Benfica
Centro Cultural Marieta Telles Machado, Praça Cívica, nº 2, Goiânia – GO.Tel.: (62) 3201 – 4670
Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 9.923 outros seguidores